Rio de Janeiro – tradição e modernidade no cartão-postal do Brasil

Um Top 5 do turismo internacional pode ser composto só de atrações cariocas: o Cristo Redentor, o bondinho do Pão de Açúcar, o calçadão de Copacabana, a passarela do samba na Marquês de Sapucaí, o templo do futebol que é o Maracanã. A verdade é que elencar os pontos mais conhecidos do Rio de Janeiro significa estar falando de alguns dos destinos turísticos mais procurados do mundo todo.

Porque o Rio é nosso cartão-postal por excelência. Uma paisagem deslumbrante recortada entre o morro e o mar, embalada por uma trilha sonora que é a cara da cidade: a Bossa Nova, gestada por Tom Jobim e Vinícius de Moraes como um tributo às belezas cariocas – e que tem em Garota de Ipanema seu ícone maior.

O Rio de Janeiro é, sim, uma cidade maravilhosa repleta de passeios obrigatórios. Mas ela também tem seus segredos, mistérios a revelar. Seja uma trilha na Pedra da Gávea ou um tour histórico-cultural pela região portuária do Rio, cuja revitalização desde 2010 chamou a atenção para o Jardim Suspenso do Valongo e o Cais da Imperatriz – sem falar na exuberância do moderno Museu do Amanhã.

E, claro, há essa instituição carioca que é o botequim. No Rio, ele é tratado com tanta referência que há estabelecimentos tombados como Patrimônio Cultural. Imperdíveis são a Adega Pérola, em Copacabana, famosa pelas iguarias portuguesas, que existe desde a década de 1950, ou o Nova Capela, no centro, fundado em 1903, entre tantos outros.

Assim como esses botequins, cada atração do Rio guarda um capítulo da história da boemia, do lazer e do próprio jeito de ser dessa cidade, que conquistou o mundo pela sua graça incomparável e pela arte de receber bem, tão característica do carioca.